Minerais

Diamantes de sangue - diamantes de conflito



O que é o processo Kimberly?


Diamantes de sangue

Os processos manuais dos trabalhadores transmitem cascalho de um depósito de placer em busca de diamantes. Imagem de USAid.gov.

O que são "diamantes de sangue"?

O filme Diamante de Sangue traça o caminho de um grande diamante rosa encontrado na Serra Leoa nos anos 90 por um pescador trabalhando como escravo em uma mina de diamante controlada por rebeldes. Esse diamante mudou e terminou muitas vidas, e a história dessa pedra carrega uma forte mensagem social.

A história é ficção interessante, mas é baseada em fatos. A história pode ajudá-lo a apreciar como um recurso mineral pode alimentar a opressão e o massacre de milhares de pessoas. Este não é um fenômeno pela primeira vez. Isso já aconteceu na África com marfim e ouro.

O que são "diamantes de conflito"?

Diamantes de Sangue, também conhecidos como "Diamantes de Conflito", são pedras produzidas em áreas controladas por forças rebeldes que se opõem a governos reconhecidos internacionalmente. Os rebeldes vendem esses diamantes e o dinheiro é usado para comprar armas ou financiar suas ações militares.

Os diamantes de sangue são frequentemente produzidos através do trabalho forçado de homens, mulheres e crianças. Eles também são roubados durante o transporte ou apreendidos ao atacar as operações de mineração de produtores legítimos. Esses ataques podem estar na escala de uma grande operação militar.

As pedras são contrabandeadas para o comércio internacional de diamantes e vendidas como gemas legítimas. Esses diamantes são frequentemente a principal fonte de financiamento para os rebeldes; no entanto, comerciantes de armas, contrabandistas e comerciantes de diamantes desonestos possibilitam suas ações. Quantidades enormes de dinheiro estão em jogo, e subornos, ameaças, tortura e assassinato são modos de operação. É por isso que o termo "diamantes de sangue" é usado.

Mapa do diamante do conflito

Mapa dos países em conflito de diamantes. Os países amarelos são onde os diamantes de conflito se originaram. A Libéria e a Costa do Marfim estavam sob sanções do Processo Kimberly em dezembro de 2006.

O que é o "Processo Kimberly"?

O fluxo de diamantes de conflito originou-se principalmente da Serra Leoa, Angola, República Democrática do Congo, Libéria e Costa do Marfim. As Nações Unidas e outros grupos estão trabalhando para bloquear a entrada de diamantes em conflito no comércio mundial de diamantes.

Sua abordagem tem sido desenvolver um procedimento de certificação governamental conhecido como "Processo Kimberly". Esse procedimento exige que cada país ateste que todas as exportações de diamantes em bruto são produzidas por meio de atividades legítimas de mineração e vendas.

Todos os diamantes em bruto exportados desses países devem ser acompanhados de certificados. Esses certificados afirmam que os diamantes foram produzidos, vendidos e exportados por canais legítimos.

O processo de certificação é responsável por todos os diamantes em bruto, em todas as etapas do seu movimento, da mina à venda no varejo. Os clientes de varejo que compram um diamante lapidado são incentivados a insistir em um recibo de venda que documenta que seu diamante se originou de uma fonte livre de conflitos.

"Diamantes sem conflitos"

As nações que concordam em participar do processo Kimberly não têm permissão para negociar com nações não-membros. Acredita-se que o Processo Kimberly tenha reduzido significativamente o número de diamantes de conflito que estão alcançando os mercados internacionais de gemas. Hoje, 81 governos e várias organizações não-governamentais cumprem o Processo Kimberly. As únicas duas nações que permanecem sob as sanções do Processo Kimberly em dezembro de 2006 foram a Libéria e a Costa do Marfim. O Conselho Mundial de Diamantes estima que 99% de todos os diamantes estão agora livres de conflitos.

Mais Informações:
  • Diamantes de conflito - Nações Unidas

  • Fatos do diamante - Conselho Mundial do Diamante

Comércio legítimo de diamantes

O comércio legítimo de diamantes gera empregos para mais de 10 milhões de trabalhadores e traz prosperidade para as áreas onde essa atividade ocorre. O apoio ao processo Kimberly por todas as nações e consumidores pode converter a escravidão em empregos e o contrabando em comércio respeitado. Os esforços estão funcionando. Hoje, quase todos os diamantes trazidos para os mercados de varejo vêm de fontes livres de conflitos.

Assista o vídeo: Documentário: Diamantes de Sangue Dublado - History Channel (Agosto 2020).